MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Doctor SUP
Gelo vs Calor
Por Redação SupClub em 01/07/19
Vamos para o assunto mais debatido, discutido, polêmico e incrível que pareça, lógico, óbvio e com comprovação científica, mas ainda gera dúvidas.
623x350
Quente ou frio como e quando usar? Foto: Divulgação.

 

Para entender o que usar, primeiramente, temos que entender o que é processo inflamatório e como acontece.

 

Pesquisei em algumas bibliografias científicas, o que significa “inflamação” e “processo inflamatório”, para ficar bem fundamentado e encontrei uma frase, de um médico que é uma referência mundial em patologias (doenças): "Inflammation is a process, not a state" (Adams, 1926) – Inflamação é um processo, não um estado.

“A inflamação pode ser definida como a reação do tecido vivo vascularizado à injúria local.

Invertebrados sem sistema vascular, organismos unicelulares e parasitas pluricelulares têm suas próprias respostas aos estímulos externos danosos. O processo inflamatório, sob determinado ponto de vista, pode ser encarado como um mecanismo de defesa do organismo e, como tal, atua destruindo (fagocitose e anticorpos), diluindo (plasma extravasado) e isolando ou seqüestrando (malha de fibrina) o agente agressor, além de abrir caminho para os processos reparativos (cicatrização e regeneração) do tecido afetado. Entretanto, a inflamação pode ser potencialmente danosa, uma vez que em sua manifestação pode lesar o próprio organismo, às vezes de forma mais deletéria que o próprio agente injuriante, como ocorre por exemplo na artrite reumatóide do homem e em alguns tipos de pneumonia. Mas, a tendência da maioria dos estudiosos ao se referir a este processo concentra-se em exaltar suas ações benéficas e minimizar as indesejáveis” BECHARA, G. H.; SZABÓ, M. P. J. PROCESSO INFLAMATÓRIO. Alterações vasculares e mediação química. Adams, p. 1-15, 2009.

Quem lê, parece uma coisa horrível, mas não é para tanto, explica a importância da inflamação e o objetivo da sua resolução de forma imediata e eficaz, para não haver piora do quadro ou sequela importante. Eu defendo a seguinte teoria: diagnóstico errado, tratamento errado.

745x473
Muitas as vezes o esforço extremo das provas nos faz chegar no limite e issso causa um grande stress muscular. Foto: Divulgação.

 

Voltando ao processo inflamatório, a inflamação tem 4 estágios distintos:

 

- calor: quando ocorre uma lesão, tem ruptura de microvasos sanguíneos, que vão extravasar sangue para os tecidos. O sangue é quente e por isso do calor;

- vermelhidão: a cor do sangue é vermelha e por esse motivo vai apresentar vermelhidão;

- edema (inchaço): com o extravasamento de sangue, vai ter outras propriedades que também vão acompanhar, como a linfa e plasma;

- dor: acontece por 2 motivos. Um deles é a propagação do mecanismo de lesão pelo sistema nervoso até o cérebro, que é decodificado como lesão e volta por outra via nervosa, com estímulo de dor. Isso acontece em fração de segundos. E o outro motivo, com o extravasamento de sangue, é liberado neurotransmissores de dor.

Se analisarmos os 4 estágios da inflamação, eles são praticamente vaso dilatação, correto? E para diminuir a vaso dilatação, é melhor gelo ou calor?

Uma coisa importante que precisamos pensar sobre inflamação, ela não é especificamente associada a um trauma ou lesão, é associada a qualquer fator que gere dor. Como torcicolo, acordou com dor na lombar, subiu e desceu escada e está com dor no joelho, foi aquela viagem que se deitou de forma errada. Sempre que houver dor, vai ter inflamação, mesmo que seja leve.

Calor ou gelo?

980x510
Doctor SUP. Foto: Divulgação.

 

O calor, é um vaso dilatador e o gelo, é um vaso constritor. E outra, o calor retarda a velocidade do estímulo até o cérebro e vai voltar, na mesma velocidade que foi, lento. Depois de todas essas explicações, qual é o melhor ou ideal?

 

Mas me falaram para colocar calor, por quê? O calor é relaxante, é mais prazeroso do que colocar gelo, mas em muitos casos, pode gerar mais vasodilatação e espalhar mais a inflamação.

Eu coloquei calor uma vez e foi o que resolveu o meu caso, como explica isso? Pode acontecer, houve um relaxamento da fibra, mas para isso, tem que saber se existe um histórico de problema na região. Se é comum teres torcicolo, um dia, esse calor pode piorar. Agora, se aconteceu aquela vez que dormiu num hotel e a cama era ruim, até pode funcionar.

Na Fisioterapia, se coloca calor. Sim, para diminuir a viscosidade dos líquidos articulares ou relaxar a fibra muscular e depois, é feito uma técnica analgésica. E no final da sessão, é colocado gelo.

Outras opções do uso do calor

E a hidroginástica e as piscinas termais? Isso é outra explicação e é outro caso. A imersão na água quente, tem influência no sistema endócrino, vascular, gastrointestinal e dentre outros.

Em resumo, tem uma ação fisiológica positiva nas funções corporais. Bem diferente da aplicação de calor direto.

Também existe o banho de contraste, que é usado de forma errônea, pela grande maioria. Ele é indicado apenas para diminuir edema e mais nada. No caso de um edema antigo ou edema de final do dia, o líquido está viscoso, denso e não consegue ser absorvido. Nesse caso, vou começar com calor, depois frio, depois calor e terminar com frio. O calor vai diminuir a viscosidade e gerar vaso dilatação e o frio vai fazer uma vasoconstrição, uma massagem de compressão: aquece e aperta, aquece e aperta, por esse motivo termina com frio.

Nos casos de edema agudo, comum em lesões recentes, o líquido está mole e cheio de marcadores inflamatórios. Vou começar com gelo, coloca no calor, depois gelo, calor e termina com gelo. Sempre vai terminar com gelo.

A sauna, vou confessar que nunca estudei. Ela entrou em decadência aqui no RS, são poucos lugares que vendem o sistema e quase não é mais oferecido nos clubes. Eu sei que a sauna úmida serve para uma coisa e a sauna seca, serve para outra. Pelo pouco que eu conheço, é muito benéfica.

Como usar o gelo

Outra coisa que aprendi na Faculdade de Fisioterapia, é como escolher um protocolo. Se tu falas com um médico, diz uma coisa, se fala com o fisioterapeuta, é outra e o professor, complicou mais ainda, quem está certo agora?

Quando cursava Educação Física, fui convidado para ser fisioterapeuta do esporte universitário da ULBRA e fui me orientar com o ilustre Prof. Crescente, que era médico do Inter e agora fisiologista da CBF, para aprender a trabalhar com atletas. Me convidou para conversar com o Prof. Cesar Abs, que era fisioterapeuta do Inter na época e estava no Mundial.

O protocolo do Sport Clube Internacional, quanto ao uso do gelo é: mãos e pés 10 minutos e o resto do corpo 20 minutos. Encerrado a discussão, tenho o meu protocolo e é esse que vou seguir. Não tenho mais motivos para debater ou discutir quanto tempo de uso de gelo, já escolhi o meu protocolo.

Existe outra forma de usar gelo, eu indico muito e tem trazido melhores resultados do que bolsa de gelo: imersão na água gelada. Água gelada e não água fria, isso mesmo, blocos de gelo para gelar a água e não forminhas de gelo.

O banho de imersão é muito usado nas corridas e no futebol, aonde o atleta entra num tonel com água e blocos de gelo, até o joelho ou até o quadril. Alguns ciclistas usam a imersão em banheiras de água com gelo. E tem atletas, que entram em piscina ou praia no inverno, para fazer a mesma coisa.

Pensando no resfriamento dos tecidos, na imersão, eu tenho 100% de cobertura e o saco de gelo, terá áreas com ar e não contato com os tecidos. E outra vantagem da imersão, é o tempo de aplicação, apenas 04 minutos, não precisa mais que isso.

Vão perguntar se é benéfico colocar gelo na cervical, na cintura escapular e a resposta é sim. E as mantas quentes e infravermelho, ajuda? Sim, ajuda a piorar o quadro inflamatório. É uma piada de consultório.

Muito gelo e o que sobrar, coloca no whisky (brincadeira ou não)!!!

1024x567
Estar sempre se policiando e polindo sua técnica, é um grande exercício para prevenir lesões. Foto: Divulgação.

 

Fabiano Bartmann

Fisioterapeuta – CREFITO 5 / 50266-F

Profissional de Educação Física – CREF 9768-G/RS

Mestre em Biociências e Reabilitação

Especialista em Acupuntura

Professor da Faculdade Sogipa

Bicampeão Gaúcho de SUP Race Master - 2017 e 2018

Membro da equipe Rabbit de SUP

Veja também
Leitura Dinâmica

Leitura Dinâmica

Pontos importantes antes da competição

Doctor SUP

Doctor SUP

Reforço muscular

Leitura Dinâmica

Leitura Dinâmica

SUP um esporte para todos

Por dentro do SUP

Por dentro do SUP

Treinamento: empirismo vs ciência

Doctor SUP

Doctor SUP

Pesquisas científicas em SUP

Por dentro do SUP

Por dentro do SUP

Atleta amador e eventos

Doctor SUP

Doctor SUP

Overtraining e Overuse

Doctor SUP

Doctor SUP

Roupas térmicas

Papo Reto

Papo Reto

Michel de Carli Ferreira

Doctor SUP

Doctor SUP

Colete Salva-vidas

Doctor SUP

Doctor SUP

Comunicação na água

SUP Surviver

SUP Surviver

Localização na água

Doctor SUP

Doctor SUP

Michel de Carli Ferreira

Doctor SUP

Doctor SUP

Rastreador de GPS

Doctor SUP

Doctor SUP

Givago Ribeiro