MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Polêmica no SUP
#IPADDLEFOREQUALITY | Remadoras da elite mundial soltam o verbo
Por Luciano Meneghello em 24/10/17
Após a realização da Red Bull Heavy Water, remadoras como Annabel Anderson, Candice Applebly, entre outros nomes de peso do SUP feminino, protestam por mais igualdade nas provas internacionais.
710x403
Ícone do SUP race mundial, Annabel Anderson protestou contra a não inclusão de mulheres na Red Bull Heavy Water: "Em 2017 nós estamos ok com isso?", escreveu em seu perfil no instagram. Foto: Reprodução.

 

No início deste ano um grupo de remadoras brasileiras criou um movimento para chamar a atenção de atletas, organizadores, entidades ligadas ao stand up paddle nacional para pedir igualdade nas premiações de homens e mulheres.

 

709x397
No papel de líder do segmento, o SupClub é pioneiro nesse tipo de debate, sempre abrindo espaço para uma saudável troca de ideias. Foto: Reprodução.

O SupClub, no papel de principal porta voz do stand up paddle brasileiro, rapidamente deu amplo espaço para que o assunto fosse debatido com objetividade (e bem longe da histeria das redes sociais) produzindo uma série de artigos e um Hangout da Remada com duas das líderes do movimento: Babi Brazil e Lena Guimarães.

 

Pouco tempo depois, na primeira etapa do Brasileiro, em Florianópolis, o assunto foi debatido com a CBSUP e através de votação, houve uma equiparação proporcional na premiação de homens e mulheres. Um resultado que, mesmo não sendo uma equiparação plena, foi considerado um avanço tendo em vista o cenário das competições no Brasil (assista ao Hangout para saber mais sobre o assunto).

 

Mas, se no Brasil as coisas estão evoluindo de forma positiva, lá fora, ao que parece, o cenário não é tão colorido como se imagina.

 

#IPADDLEFOREQUALITY

 

599x473
Candice Appleby juntou-se a outros nomes de peso do SUP race feminino na campanha “#ipaddleforequality". Foto: Reprodução.

 

Na última sexta-feira (21) os fãs de water sports acompanharam atentos ao Red Bull Heavy Water, competição de SUP race extremo realizada na Califórnia em meio a condições realmente desafiadoras de ondas e correntes.

 

Somente atletas convidados puderam participar da competição que ofereceu US$ 50 Mil de premiação, sendo US$ 20 Mil para o primeiro colocado (a maior premiação individual da atualidade).

 

A prova, como era de se esperar, foi épica, no entanto, foi também alvo de protestos encabeçados por ícones SUP race mundial como Annabel Anderson, Sonni Hönscheid, Candice Appleby, entre outras remadoras, pelo fato de só ter convidado atletas homens para participarem do desafio.

 

Enquanto a prova era transmitida ao vivo pelas redes sociais, várias remadoras fizeram posts usando a hastag “#ipaddleforequality” para protestar contra o fato.

 

Em seu perfil no Instagram, Annabel Anderson escreveu:

 

“Os meninos conseguem competir por US$ 50.000 esta semana. As meninas não foram convidadas. As perguntas reais são: em 2017 nós estamos ok com isso??? E esse é o exemplo que queremos definir para as nossas irmãs e filhas??”, sentenciou.

 

Após a onda de protestos, a Red Bull e da APP (Associated of Paddlesurf Professionals) emitiram a seguinte nota conjunta:

 

“Os patrocinadores e os organizadores da Red Bull Heavy Water entraram em contato com representantes de movimentos de atletas femininos, como o Paddlers 'Collective, no início de setembro, quando o evento foi anunciado, mas nenhum representante do Paddlers' Collective deu continuidade no assunto. A Red Bull e a APP espera que a participação feminina na Red Bull Heavy Water seja uma realidade em 2018 e nos próximos anos".

 

ENQUANTO ISSO, NO BRASIL

 

2048x1365
Finalistas do Neutrox Weekend, uma competição de alto nível só para mulheres com premiação em dinheiro realizada no Brasil no mesmo final de semana do Red Bull Heavy Water. Foto: Pedro Monteiro.

 

Ironicamente, no mesmo final de semana em que se sucedeu o ocorrido, dois eventos de grande porte exclusivamente para mulheres aconteceram no Brasil: Aloha Spirit “Elas” e Neutrox Weekend, este último oferecendo premiação em dinheiro.

 

Não que os remadores devam tomar esses dois campeonatos como exemplo para protestarem por “igualdade”. Óbvio que não é o caso.

 

No entanto, esses episódios ocorridos simultaneamente nos EUA e no Brasil são mais um exemplo de que a evolução do stand up paddle brasileiro, mesmo com todas as imperfeições, segue como uma das mais avançadas em todo mundo. 

 

A noção dessa realidade é muito importante para que o esporte siga desenvolvendo-se por aqui de forma sustentável e com bom senso. E, claro, sem jamais esquercermos da máxima de que “‘Nós’ é mais importante que ‘eu’.”

 

Vale a reflexão.

 

 

416x225
Luciano Meneghello é editor-chefe e fundador do site SupClub. Foto: Reprodução.

 

Veja também
CBSUP

CBSUP

Gui e Lena bicampeões brasileiros de SUP race

CBSUP

CBSUP

Inscrições para o IWC vão até dia 20

CBSUP

CBSUP

Confira as baterias do Brasileiro de Sprint

CBSUP

CBSUP

Brasileiro de SUP Race na reta final

PASA 2017

PASA 2017

Brasil convoca atletas para o Pan-americano de SUP

APP World Tour

APP World Tour

APP World Tour anuncia campeões de 2017

Aloha Spirit Festival

Aloha Spirit Festival

Aloha Spirit prepara novidades para 2018

CBSUP

CBSUP

Último dia para inscrever-se no Brasileiro de SUP

CBSUP

CBSUP

Balanço do Ubatuba Grand Slam

CBSUP

CBSUP

IWC fará primeiro Brasileiro de SUP Foil da história

CBSUP

CBSUP

Gui dos Reis e Lena Guimarães vencem em Ubatuba

CBSUP

CBSUP

Caio Vaz e Aline Adisaka vencem em Ubatuba

CBSUP

CBSUP

Começa o Brasileiro de SUP

Competições

Competições

Tríplice Coroa 2018 com inscrições abertas

CBSUP

CBSUP

Programação do Ubatuba Grand Slam

Competições de SUP

Competições de SUP

Itacaré Paddle Race