MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
SupClub
A voz da experiência
Por Redação SupClub em 20/02/15
Pedro Valadares, campeão brasileiro grand master bate um papo com Antonio Fernando, organizador do circuito Black Paddle e conta um pouco de sua história.
Antonio Fernando, José Augusto e Pedro Valadares. Foto: RC Drone / Black Paddle
Antonio Fernando, José Augusto e Pedro Valadares. Foto: RC Drone / Black Paddle

Por Antonio Fernando

Em tempos de desilusões provocadas por denúncias de corrupção no esporte que é a paixão nacional dos brasileiros e acusações de doping jogando heróis aos leões (só para citar os casos mais recentes), ter um Pedrinho do Speed Lanches como campeão brasileiro grand master do nosso esporte, o SUP, é, sem sombra de dúvidas, um grande luxo.

Pedro Valadares é a maior personificação do termo exemplo que conheço. Um empresário que venceu com muita luta, um patriarca dedicado e amado e um atleta inspirado, que também inspira, com frequência, muitos dos nossos novos talentos.

Ouvir do Pedro as suas conquistas durante o ano são superadas apenas quando nos conta as suas novas metas para o ano seguinte. Sim, acredite senhores e senhoras, ele não apenas consegue metas e desempenhos assustadores aos 51 anos de idade, como as supera a cada ano que acumula.

Toda essa performance coroa a forte carga de treinamentos exercida pelo Pedrinho e equipe. Alem do seu comportamento e rotina que comprovam a viabilidade de perpetuação de um atleta quando esse é um “Atleta de Verdade”, que treina como atleta, se alimenta como atleta, dorme como atleta, ou seja, se tem vida de atleta. A seguir, você conhece um pouco mais sobre essa grande fera que tem muito a ensinar aos mais jovens.

Como foi a preparação e quando você decidiu que lutaria pelo titulo de Campeão Brasileiro de 2014?

Meu amigo e treinador Marcelo Afonso se encontrou comigo na minha loja e como sabia do excelente profissional que é, perguntei se aceitaria me treinar, então, ele me perguntou: vai levar a sério? Eu respondi: lógico,  faço o que for preciso. Ele me passou uma bateria de exames, e, após os resultados começamos a planejar o meu treinamento. Graças àquele sanduiche que ele comeu na minha loja, começamos uma grande parceria. Com muita dedicação, consegui alcançar a meta maior – sem furar um dia sequer a planilhas: conquistar o título brasileiro, o nordestino e o baiano de Stand Up Paddle 2014 na categoria Race 12’6 Gran Master.

Qual o segredo para uma boa conciliação entre família, trabalho e esporte?

Minha família é tudo na minha vida. Tenho 4 mulheres lindas em casa (esposa, duas filhas e uma neta), meus amores que me dão todo apoio. No trabalho tenho uma boa equipe e consigo equacionar meus horários. Tem dias difíceis, mas o meu amor pelo esporte faz com que tudo seja muito prazeroso.

Como você cuida da sua saúde e da sua forma? Esse é um segredo que muitos estão ansiosos para descobrir...

Me alimento da forma mais natural possível, faço atividade física intensa, não bebo não fumo, não uso nada químico para melhorar meu desempenho e busco tudo que meu corpo precisa na alimentação e descanso.

Sei que o Pedrinho não para e procura sempre estar a frente na sua preparação, algumas vezes até criando e experimentando novas técnicas de preparação.

Meu treinador é um mestre, na verdade eu sigo o que ele projeta, confio muito nele e só sigo a risca o que manda fazer, assim é menos uma coisa pra ficar preocupado.

Quais os objetivos e desafios para 2015?

Tentar o bi-campeonato brasileiro, nordestino, baiano e ser campeão do Circuito Black Paddle 2015 (levar o tão sonhado Anel Black Paddle). Também pretendo participar, pelo menos, de uma prova fora do Brasil pra ver como estou em relação aos “gringos” ( já está confirmada minha participação em Bilbao, junho na Espanha, valida pelo circuito mundial).

Como você assistiu e reagiu ao inédito Titulo de Gabriel Medina que a sua geração e muitas outras tanto sonhou?

Com muita emoção e satisfação ver um esporte que nunca foi valorizado à sua altura no Brasil chegar onde chegou, superando todas as dificuldades, com pouco apoio da mídia, como deveria ser, com patrocínios contados e para poucos, foi bom pra mostrar ao pais do 7x1 vergonha dos salários milionários, que deve valorizar outros esportes também.

Qual a sua expectativa para o Circuito Black Paddle 2015?

A melhor possível, a equipe que esta a frente tem conhecimento total do assunto, comprometimento com  o melhor para os atletas e o publico, os locais das provas são fantásticos, tenho certeza que o esporte vai ganhar muito com esse circuito que já nasceu grande.

Fiquei surpreendido quando cheguei ao local escolhido para segunda etapa do Circuito Black Paddle 2015. Nós, soteropolitanos, ouvimos muito falar do Forte de Monte Serrat, localizado na Ponta de Humaitá, mas confesso que circulamos pouco por essa área da cidade. É impressionante a harmonia gerada por um conjunto arquitetônico colonial com Igreja, Forte, Farol e quartel militar avançando sobre o mar e contrastando com as águas azuis, calmas e transparentes da Baía de todos os Santos.

Veja também
Perfil SUP Race

Perfil SUP Race

Ela é Bárbara!

Perfil SUP Race

Perfil SUP Race

O 'Animal' está de volta

Padleboard Entrevista

Padleboard Entrevista

Patrick Winkler na expectativa da M2O

Alzair Russo

Alzair Russo

A vida entre pranchas e treinos

Entrevistas

Entrevistas

Planos de 2017 para Americo & Lena

Perfil

Perfil

Perfil – Tristan Boxford

Entrevistas

Entrevistas

Entrevista - Guilherme dos Reis

Perfil

Perfil

Kauan Terra agradece 2016

Entrevistas

Entrevistas

SUP Entrevista - Lena Guimarães

Mundial de SUP

Mundial de SUP

SUP Entrevista - Caio Vaz

Atletas

Atletas

SUP Perfil – Eri Tenório

Entrevistas

Entrevistas

SUP Entrevista - Miguel Nobre

Entrevista

Entrevista

SUP Entrevista - Mauricio Thompson

Atletas

Atletas

SUP Entrevista - Paty Mesquita

Perfil

Perfil

Kauan Terra

SUP Wave

SUP Wave

Entrevista - Tom Carroll