MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Debate
Igualdade na premiação
Por Luciano Meneghello em 31/01/17
Atletas de SUP race feminino reascendem debate sobre a igualdade de premiação entre gêneros. A causa é nobre, porém, sem o apoio e 'sacrifício' dos homens esse debate seguirá caminhado a passos de tartaruga. Confira a análise de nosso editor.
2000x1451
O anseio pela igualdade no valor de premiação entre homens e mulheres é absolutamente justo, mas para que isso se concretize, é necessária a convergência de uma série de fatores. A realidade é bem mais complexa do que parece. Foto: Luciano Meneghello.

 

O debate não é novo. Em 2012, a pentacampeã brasileira Babi Brazil, que é colunista do SUPCLUB, escreveu um brilhante artigo para expressar a insatisfação das atletas do SUP race em relação à diferença de valores nas premiações entre homens e mulheres. Para elaborar o texto, que pode ser lido aqui, Babi conversou com ícones do esporte feminino, como Andrea Moller e Fernanda Keller, mostrando que essa era uma realidade presente em outras modalidades esportivas chegando à conclusão de que se tratava, no final das contas, de uma questão de gênero.

 

De lá pra cá algumas medidas foram tomadas e essa diferença foi, aos poucos, sendo reduzida.  Mas nas últimas semanas atletas de SUP tem mostrado que não estão satisfeitas com o atual cenário e reacenderam o debate.

 

800x533
Babi Brazil reascendeu o debate e seu post viralizou no Facebook. Mas isso ajuda ou atrapalha o debate? Foto: Adriana Munford .

E assim, como era de se esperar, as mídias sociais trouxeram à tona uma questão que é bem mais complexa do que parece. Facebook é uma faca de dois gumes e um campo fértil para demagogos de plantão, sempre ávidos a criticar e dar palpites. Reclamar e apontar falhas é tarefa que qualquer um pode fazer e há o risco eminente de se banalizar uma causa que obviamente é justa, mas que não pode ser decidida na base de grito e muito menos na pressão contra atletas que não estão de acordo com a maneira pela qual esse tema está sendo conduzido.

 

Há muitas variáveis que incidem nessa realidade e transcendem a questão de gênero: a crise pela qual o país atravessa, a escassez de patrocinadores e o fato de que há muito mais homens competindo do que mulheres.

 

Tomamos como exemplo o Aloha Spirit Festival, realizado em Ilhabela (SP), que em 2016 bateu o recorde brasileiro de competidores de SUP em uma mesma prova, com mais de 300 remadores, de acordo com a organização.

 

Sucesso de público e crítica, a organização do Aloha também teve que lidar com uma realidade presente em todas as competições profissionais de SUP: o número de homens inscritos é muito maior do que o de mulheres. Na categoria Elite Masculino dessa prova largaram 32 atletas contra 7 atletas na Elite Feminino. A premiação, em dinheiro, foi dada em maior quantidade para os homens, sendo os três primeiros de cada categoria premiados.

 

O Circuito Brasileiro da CBSUP segue a mesma lógica. Em 2016, das quatro etapas que foram realizadas ao longo do ano, tivemos 24 homens competindo em pelo menos três etapas e 10 mulheres competindo em pelo menos três etapas. No entanto, se compararmos a proporção entre número geral de participantes, sem considerar aqueles que efetivamente viajam ao longo do ano para correr todo o circuito, a disparidade fica bem maior, com 16 mulheres na Profissional contra 77 homens.

 

Dessa forma, sob a ótica matemática pura e simples, em 2016 o circuito teve a “contribuição” de 77 homens e 16 mulheres pagando as inscrições.

 

Pois bem, com essa informação em mente, tomei conhecimento de que foram premiados, ao longo do circuito, os 16 primeiros colocados no Profissional Masculino e as quatro primeiras colocadas no Feminino. Sendo que a premiação foi maior para o primeiro colocado masculino do que para a primeira colocada do feminino e assim sucessivamente. Isso porque as mulheres receberam 30% do valor da premiação de R$ 10 Mil, por etapa, divididos entre as quatro primeiras colocadas. Os outros 70% foram destinados aos homens.

 

Essa proporcionalidade foi baseada em relação aos atletas que correram todo o circuito. Se a divisão fosse baseada apenas nos participantes ao longo do ano, ou seja, nos 77 homens x 16 mulheres, a porcentagem das mulheres cairia para 16% dos R$ 10 Mil.

 

Ainda, sob a ótica pura e simples dos números, igualar a premiação, ou seja 50% / 50%, também significa premiar menos de 30% dos homens enquanto 50% das mulheres seriam premiadas.

 

Essa constatação nos traz mais uma pergunta: Se temos mais do que o dobro de homens competindo e “contribuindo” financeiramente com o valor da inscrição, é justo equiparar os valores de premiação “ipsis litteris”?

 

Por outro lado, mantendo a premiação das mulheres inferior a dos homens, não estamos correndo o risco de afastar novas competidoras da categoria profissional, uma vez que o valor das inscrições é o mesmo?

 

670x446
PPG, a maior prova de SUP Race do mundo e a premiação dos sonhos: US$ 8 Mil para os campeões do masculino e feminino. No Brasil, a escassez de patrocinadores torna essa uma situação quase utópica. Foto: Reprodução.

 

Em entrevista ao SupClub em dezembro último, a atual campeã brasileira, Lena Guimarães já havia tocado no assunto mostrando que esse descontentamento vinha crescendo entre as competidoras, apesar de reconhecer que a situação está melhorando ao longo dos anos: “A coisa melhorou muito desde o primeiro ano de Brasileiro, é verdade, mas temos que evoluir mais. A reclamação mais comum entre as mulheres é sobre o valor da nossa premiação. Claro que isso não é uma coisa simples de se mudar, mas esse é um assunto que não pode sair da nossa pauta”, disse (leia a entrevista completa aqui).

 

1516x1060
Lena Guimarães: "É uma coisa que não basta partir só das mulheres. Os homens também precisam entender isso". Foto: Arquivo pessoal.

Nessa mesma entrevista, Lena toca numa questão fundamental para que essa questão encontre um final feliz: “É uma coisa que não basta partir só das mulheres. Os homens também precisam entender isso”, disse.

 

Creio que ela acertou em cheio ao fazer essa observação. Mais do que organizadores e federações, nesse ponto, cabe fundamentalmente aos homens da categoria Profissional fazerem o fiel da balança para que isso se concretize. Afinal, tendo em vista a colossal crise econômica e política enfrentada pelo Brasil, nem o mais otimista dos organizadores acredita que irá encontrar um patrocinador disposto a dar mais dinheiro para a categoria Feminina, mantendo a Profissional Masculina nos mesmos padrões de premiação.

 

Ou seja, se uma competição tem 10 mil de premiação em dinheiro e vamos equiparar esse prêmio entre os gêneros, será necessário “tirar” dos homens para “dar” às mulheres.

 

O Kopa – King of Paddle, um dos eventos mais comentados positivamente no ano de 2016, optou por igualar a premiação em dinheiro. Ou seja, homens e mulheres da Profissional ganham a mesma quantia, porém, a premiação em dinheiro é aplicada somente até a terceira colocação.

 

Há, no entanto, mais uma ressalva feita pelos organizadores: “As remunerações em dinheiro só serão pagas apenas caso seja alcançado um número mínimo de atletas participantes”, que no caso do SUP race será de 20 homens e 10 mulheres. As regras para a competição podem ser lidas AQUI.

 

Seria essa uma solução para o Circuito Brasileiro, competições estaduais e circuitos independentes de âmbito nacional como o Aloha Spirit? Sim, seria uma opção. Resta saber se os homens realmente estão dispostos a apoiar as mulheres abrindo mão de parte de sua premiação.

 

416x225
Luciano Meneghello é fundador e editor chefe do SupClub. Foto: Reprodução.

 

 

 

 

Veja também
Análise do editor

Análise do editor

SUP Paulista em crise

Circuito Brasileiro

Circuito Brasileiro

Tops do SUP Wave em análise

Cultura

Cultura

Surfe como você quiser

Soul SUP

Soul SUP

O SUP nas Olimpíadas

Palavra do editor

Palavra do editor

Análise pré Brasileiro de SUP Wave

Análise

Análise

Brasileiro de SUP Race pós Ubatuba

Remada coletiva

Remada coletiva

Os benefícios da remada em OC6

Brasileiro de SUP

Brasileiro de SUP

Haverá uma troca guarda na elite do SUP race nacional?

SUP Wave

SUP Wave

Por onde vai o SUP Wave?

SupClub

SupClub

Retrospectiva 2015

supclub

supclub

Canyon do Xingó

supclub

supclub

SUP Consciente vê drama dos estuários durante volta à ilha de São Vicente

supclub

supclub

Pela harmonia no outside

supclub

supclub

SUP & Surf: pela harmonia no outside Parte I