MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Hawaii Brasileiro
Memórias de um Downwind
Por Redação SupClub em 26/10/18
Dennis Goebe Praça relata sua experiência nestes dias no Hawaii Brasileiro.
1280x959
Dennis Goebe Praça Foto: Go Pro

 

No esporte, competitivo ou apenas pela prática, uma cronologia se faz natural, na luta, as faixas são o que classificam o nível do lutador, e assim como o piloto acumula horas de vôo, nós remadores acumulamos horas na água, de preferência no mar, é  isso que nós torna melhores!

 

Costumo chamar as represas de caderno em branco, já a informação, está no mar!! 

Dito isso, participar da Tríplice Coroa de downwind, para mim era um objetivo a se alcançar, como ler o livro que contestaria  aquilo que havia aprendido ao longo dos meus longos anos e vivências no mar.

Quando a roda se formou, puxada por João  Castro, mentor e organizador do evento, que convidou a que todos fizessem por um minuto as suas preces, um retrospecto de todo esse caminho se passou e me senti  pronto a encarar a primeira prova de Downwind.

Os 30 primeiros quilometros da Spot Paddle, foram duros comigo! Logo no início, por volta de 5km, descobri que o Leme de minha prancha havia afrouxado, e eu estava sem ele,  nesse momento que somos exigidos, o importante é manter a calma e buscar o controle e tentar até que se torne realmente impossível completar a prova ou apertar o botão, do localizador  Spot e sair da prova!

Resolvi continuar e sentir como seria lhe dar com a situação, no final consegui, confesso, irritado, concluir a prova com paciência, intuição e esforço, em 3:27:00  sem poder surfar as ondas grandes para não desregular o leme! 

No dia seguinte, tivemos a prova curta, o Aloha Spirit  Downwind prova de 12km, perfeita para iniciar na modalidade e com  ajuda do Marinho para ajustar o leme, consegui me divertir muito mais,  e melhorar minha colocação geral e aprender sobre o downwind! 

1280x959
Dennis Goebe Praça Foto: Go Pro

 

Teríamos dois dias de descanso, mas só consegui descansar um dia. Na véspera do W2 fiz Solo, novamente os 12km, mas desta vez com uma 14X27 sem leme, emprestada pelo amigo Alexandre, foi ótimo para a parte psicológica e para observar melhor a dinâmica do DW. 

 

Na última prova, os 30km do emblemático W2, cheguei mais confiante e pronto para me divertir muito com os amigos antigos e novos que havia feito por aqui!  

A prova foi incrível, com a melhor condição de todos os dias, e consegui colocar em prática tudo que queria para este momento, baixando meu tempo para 2:54:00  e chegando em terceiro no geral entre os Stand up paddles, e acumulando um terceiro e segundo lugar nas provas e finalizando em Segundo no Ranking das pranchas Unlimited. 

1280x959
Dennis Goebe Praça Foto: Go Pro

 

Aprendi muito nestes dias e isso é algo que quero compartilhar e ajudar aqueles que pretendem um dia encarar este desafio que, é tão mental quanto físico, mas que nos fortalece em muitos aspectos!  

 

A Dica que deixo é que respeitem sempre a natureza e suas limitações pessoais, pratique de forma segura, e procure pessoas mais experientes para evoluir sempre, pois sempre há o que evoluir!   

Grato a todos que me ajudaram de alguma forma e nos vemos na Tríplice coroa de 2019!

 

Por: Dennis Goebe Praça

Veja também
The Canary Project

The Canary Project

Sup Surfing na Gran Canária

CBSurf

CBSurf

Presidência em xeque

Palm Springs

Palm Springs

Nova piscina a caminho

Mar Egeu

Mar Egeu

Aegean Classics

Maverikcs

Maverikcs

Outro lado da fera

Cloudbreak

Cloudbreak

Keahi de Aboitiz

Jorge Vicente

Jorge Vicente

Shaper falece no Sul

Recife artificial

Recife artificial

Projeto avança em Maricá

Big SUP

Big SUP

Diversão em Makaha

Wipeout of the Year

Wipeout of the Year

Caio Vaz entra na disputa

Deep Blue

Deep Blue

Gigante cruza o Havaí

Litoral brasileiro

Litoral brasileiro

As ondas mais raras

Noah Pronk

Noah Pronk

Parafina ecológica

Tubarão Touro

Tubarão Touro

Animal é capturado

CBSurf

CBSurf

Briga pelo comando

Hawaii

Hawaii

SUP nas big waves