MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Dicas do Mestre
Navegando no Nevoeiro
Por Alex Araujo em 14/09/18
Quem navega perto de porto, como Rio de Janeiro, Santos, Paranaguá e etc. já deve ter ouvido inúmeras vezes os silvos (ou apitos) dos navios.
1500x1000
Navegando no Nevoeiro. Foto: Divulgação

 

Dando continuidade ao tópico da semana passada no qual abordamos o uso da bussola, essa semana falaremos de uma das coisas mais perigosas para quem está navegando: O Nevoeiro.

 

O que é um nevoeiro?

Tecnicamente o nevoeiro é a umidade que se condensa próximo do solo. São gotículas de água extremamente pequenas e que ficam em suspensão perto da superfície. A umidade relativa do ar precisa estar acima de 90% para que ocorra a formação do nevoeiro. Vento fraco ou calmaria (falta de vento) e baixa temperatura são outras condições importantes para a formação do fenômeno.

O nevoeiro é uma nuvem, mas com a base próxima do solo. É um fenômeno que exige alta umidade no ar sempre acima de 90% e que reduz a visibilidade horizontal para menos de 1.000 metros.

Quando se forma um nevoeiro marítimo?

Quando o ar polar (frio) se espalha sobre uma porção de água que está com temperatura maior. É o contraste de temperatura que provoca a condensação da umidade e então o nevoeiro se forma.

Quais são os principais perigos envolvidos? 

O principal entre todos, antes mesmo até da desorientação, refere-se ao risco de colisão com outras embarcações. Uma embarcação grande não conseguira ver uma embarcação a remo, ou mesmo outra embarcação maior! 

O segundo risco refere-se à desorientação. Sem um ponto de referência, não há como saber para onde se está indo ou de onde se está vindo. Nem mesmo com uma bussola.
 

O terceiro, que complementa o anterior refere-se aonde vou desembarcar, aonde está a costa (as vezes queremos chegar em uma praia e acabamos por encontrar um paredão de pedras...).

O que fazer se for pego em uma situação de nevoeiro (ou baixa visibilidade)?

Existem algumas premissas que um bom navegador precisa conhecer para conseguir se safar.

Quando saímos para o mar, devemos saber para onde a ondulação, corrente, vento e mare estão direcionados, e então traçar a resultante do deslocamento.  Ora, se conheço e observo a minha navegação, vou voltar oposto à minha resultante. Complicado? Sim, como todo problema bom de navegação seria.

671x503
Navegando no Nevoeiro. Foto:Divulgação

 

Outro ponto fundamental: O nevoeiro começa da superfície para o alto.


Portanto, assim que perceber o começo do nevoeiro, comece a olhar para os pontos de referência mais alto possível. E se desloque também o mais rápido possível para longe de canais navegáveis por grandes embarcações e siga para a costa (Navios grandes não navegam em águas rasas). 

O GPS também deve ser usado neste momento. Um GPS que plote sua posição e demonstre onde se esta vai te levar para casa. Um telefone com acesso à internet também. Abra por exemplo um google maps, um waze (aplicativos mais populares) e siga em direção a costa! Aqui vale aquele alerta de sempre: Saia sempre com um celular carregado e use-o apenas em caso de emergência. 

800x600
Navegando no Nevoeiro. Foto: Divulgação

 

Por fim: A RIPEAM (Regulamento Internacional para Evitar Abalroamento no Mar) criou códigos sonoros e luminosos para navegação em baixa visibilidade. Um farol de marcação trata-se de uma sinalização luminosa; as boias de marcação de entrada de canal idem; já as embarcações, utilizam-se de sinais sonoros. 

 

Quem navega perto de porto, como Rio de Janeiro, Santos, Paranaguá e etc. já deve ter ouvido inúmeras vezes os silvos (ou apitos) dos navios. Mas e aí, o que significam? Abaixo um pequeno resumo que vale a pena os navegadores a remos conhecerem.  

1 apito curto - Estou guinando para boreste (para a direita)

2 apitos curtos - Estou guinando para bombordo (para a esquerda)

3 apitos curtos - Estou dando máquinas atrás (indo para trás, para ré); 

2 apitos longos e 1 apito curto - Tenciono ultrapassá-lo por boreste; 

2 apitos longos e 2 apitos curtos - Tenciono ultrapassá-lo por bombordo; 

1 apito longo, 1 curto, 1 longo e 1 curto - Concordo com sua ultrapassagem;

5 apitos curtos ou mais - Não consigo entender a sua manobra;

1 apito longo de 2 em 2 minutos - Embarcação a motor em movimento (Essa e a mais comum para nós que vamos para o mar diariamente). 

Vá para o mar, mas vá em segurança. 

MAIS IMPORTANTE QUE O IR E SEMPRE O VIR.

Na próxima semana, falaremos sobre balizamento náutico aplicado ao remo. 

Aloha!

Douglas Moura

Remador e mestre amador.

Instagram: aloha_douglas_; 

Facebook: Douglas Moura  

Douglas conta com os apoios – Evoke eyeswear; Puro Suco; Raldrei Natividade fisioterapia esportiva; Rpilates; Academia Niteroi Swim; Icarahy Canoa Clube;

Além disso, desenvolve treinamentos focados em navegação segura.  

 

Veja também
Lobos do Mar

Lobos do Mar

Ivan Mundim

ISA Games 2018

ISA Games 2018

Experiência na raia

SupClub-Guide

SupClub-Guide

Las Palmas

Gabi Sztamfater

Gabi Sztamfater

Rookie focada no tour

Junior de peso

Junior de peso

Daniel Ferlin treina duro

Final Feliz

Final Feliz

Remadores resgatados em Salvador

Perigos do SUP

Perigos do SUP

Buscas continuam na Barra

Você faria isso?

Você faria isso?

Pit River Falls

Sede de vitória

Sede de vitória

Leco focado nas Canárias

SUP em alerta

SUP em alerta

Atletas na bronca em SP

Leitura Dinâmica

Leitura Dinâmica

Brasil em evolução

Foco de campeão

Foco de campeão

Do estaleiro para água

Ibrasurf

Ibrasurf

Curso foi um sucesso!

Palavra dos Atletas

Palavra dos Atletas

Amadores em destaque!

Lobos do Mar

Lobos do Mar

Experiência de vida no esporte

Prodígio no SUP

Prodígio no SUP

Fiona Wylde na luta