MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Dicas do Mestre
Navegando no Nevoeiro
Por Alex Araujo em 14/09/18
Quem navega perto de porto, como Rio de Janeiro, Santos, Paranaguá e etc. já deve ter ouvido inúmeras vezes os silvos (ou apitos) dos navios.
1500x1000
Navegando no Nevoeiro. Foto: Divulgação

 

Dando continuidade ao tópico da semana passada no qual abordamos o uso da bussola, essa semana falaremos de uma das coisas mais perigosas para quem está navegando: O Nevoeiro.

 

O que é um nevoeiro?

Tecnicamente o nevoeiro é a umidade que se condensa próximo do solo. São gotículas de água extremamente pequenas e que ficam em suspensão perto da superfície. A umidade relativa do ar precisa estar acima de 90% para que ocorra a formação do nevoeiro. Vento fraco ou calmaria (falta de vento) e baixa temperatura são outras condições importantes para a formação do fenômeno.

O nevoeiro é uma nuvem, mas com a base próxima do solo. É um fenômeno que exige alta umidade no ar sempre acima de 90% e que reduz a visibilidade horizontal para menos de 1.000 metros.

Quando se forma um nevoeiro marítimo?

Quando o ar polar (frio) se espalha sobre uma porção de água que está com temperatura maior. É o contraste de temperatura que provoca a condensação da umidade e então o nevoeiro se forma.

Quais são os principais perigos envolvidos? 

O principal entre todos, antes mesmo até da desorientação, refere-se ao risco de colisão com outras embarcações. Uma embarcação grande não conseguira ver uma embarcação a remo, ou mesmo outra embarcação maior! 

O segundo risco refere-se à desorientação. Sem um ponto de referência, não há como saber para onde se está indo ou de onde se está vindo. Nem mesmo com uma bussola.
 

O terceiro, que complementa o anterior refere-se aonde vou desembarcar, aonde está a costa (as vezes queremos chegar em uma praia e acabamos por encontrar um paredão de pedras...).

O que fazer se for pego em uma situação de nevoeiro (ou baixa visibilidade)?

Existem algumas premissas que um bom navegador precisa conhecer para conseguir se safar.

Quando saímos para o mar, devemos saber para onde a ondulação, corrente, vento e mare estão direcionados, e então traçar a resultante do deslocamento.  Ora, se conheço e observo a minha navegação, vou voltar oposto à minha resultante. Complicado? Sim, como todo problema bom de navegação seria.

671x503
Navegando no Nevoeiro. Foto:Divulgação

 

Outro ponto fundamental: O nevoeiro começa da superfície para o alto.


Portanto, assim que perceber o começo do nevoeiro, comece a olhar para os pontos de referência mais alto possível. E se desloque também o mais rápido possível para longe de canais navegáveis por grandes embarcações e siga para a costa (Navios grandes não navegam em águas rasas). 

O GPS também deve ser usado neste momento. Um GPS que plote sua posição e demonstre onde se esta vai te levar para casa. Um telefone com acesso à internet também. Abra por exemplo um google maps, um waze (aplicativos mais populares) e siga em direção a costa! Aqui vale aquele alerta de sempre: Saia sempre com um celular carregado e use-o apenas em caso de emergência. 

800x600
Navegando no Nevoeiro. Foto: Divulgação

 

Por fim: A RIPEAM (Regulamento Internacional para Evitar Abalroamento no Mar) criou códigos sonoros e luminosos para navegação em baixa visibilidade. Um farol de marcação trata-se de uma sinalização luminosa; as boias de marcação de entrada de canal idem; já as embarcações, utilizam-se de sinais sonoros. 

 

Quem navega perto de porto, como Rio de Janeiro, Santos, Paranaguá e etc. já deve ter ouvido inúmeras vezes os silvos (ou apitos) dos navios. Mas e aí, o que significam? Abaixo um pequeno resumo que vale a pena os navegadores a remos conhecerem.  

1 apito curto - Estou guinando para boreste (para a direita)

2 apitos curtos - Estou guinando para bombordo (para a esquerda)

3 apitos curtos - Estou dando máquinas atrás (indo para trás, para ré); 

2 apitos longos e 1 apito curto - Tenciono ultrapassá-lo por boreste; 

2 apitos longos e 2 apitos curtos - Tenciono ultrapassá-lo por bombordo; 

1 apito longo, 1 curto, 1 longo e 1 curto - Concordo com sua ultrapassagem;

5 apitos curtos ou mais - Não consigo entender a sua manobra;

1 apito longo de 2 em 2 minutos - Embarcação a motor em movimento (Essa e a mais comum para nós que vamos para o mar diariamente). 

Vá para o mar, mas vá em segurança. 

MAIS IMPORTANTE QUE O IR E SEMPRE O VIR.

Na próxima semana, falaremos sobre balizamento náutico aplicado ao remo. 

Aloha!

Douglas Moura

Remador e mestre amador.

Instagram: aloha_douglas_; 

Facebook: Douglas Moura  

Douglas conta com os apoios – Evoke eyeswear; Puro Suco; Raldrei Natividade fisioterapia esportiva; Rpilates; Academia Niteroi Swim; Icarahy Canoa Clube;

Além disso, desenvolve treinamentos focados em navegação segura.  

 

Veja também
Tecnologia

Tecnologia

Surfmappers

Sup News

Sup News

GONG Surfboards

Rumo a seletiva

Rumo a seletiva

Participe da promoção

Novos horizontes

Novos horizontes

Bruno Hasulyo

Super Gromet

Super Gromet

Keoni Sulpice

SUP Trip

SUP Trip

Expedição Gamboas de Guamaré

Parceria 100%

Parceria 100%

Big Blue Ocean Cleanup

Super Downwind

Super Downwind

The Ultimate Downwind

Sup Foil

Sup Foil

Fanatic lança novos modelos

Fantasy SUP

Fantasy SUP

Façam suas apostas

Mavericks

Mavericks

Tubarão espanta o crowd

Bart de Zwart

Bart de Zwart

The Vanuatu Expedition

Blood, Sweat & Years

Blood, Sweat & Years

G-Shock aposta em conceito

KXT Watermana 2018

KXT Watermana 2018

Assista ao vídeo

Leitura Dinâmica

Leitura Dinâmica

Ivan Floater em foco

NSP

NSP

DC Surfwide