MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Raio -X do Foil #¨6
Palavra do Fabricante
Por Alex Araujo em 24/09/18
Conversamos com o fabricante da Okes Foil Adrien Caradec, para entender melhor as aplicações das asas, mercado e as provas de downwind.
1280x784
Raio - X do Foil #6. Foto: Divulgação

 

Conversamos com o fabricante da Okes Foil Adrien Caradec, para entender melhor as aplicações das asas, mercado e as provas de downwind.

Confira:

Quando começou e como entrou no mercado do Foil?

iniciei a pratica do kitefoil em 2013 após acompanhar a America’s Cup daquele ano onde foram apresentados ao mundo ao mundo náutico os catamarãs com hidrofoil. Nesse mesmo ano comecei a criar minhas próprias asas de forma bastante artesanal e logo percebi a curiosidade de todos que assistiam quando eu velejava sobre “o que era aquilo”, então resolvi levar a sério a fabricação de equipamentos.

1280x853
Raio - X do Foil #6. Foto: Divulgação

 

Você é um dos precursores do SUP no Brasil, como vê o crescimento?

 

aqui em Florianópolis iniciei o SUP em 2003 e era parecido como foi o hidrofoil em 2013  na praia todo mundo fica observando e tinham muita curiosidade. o Esporte teve um crescimento muito rápido com vários fabricantes nacionais e com pranchas especificas para cada atividade o que trouxe muita gente para água, pessoas até que nunca pensavam que um dia poderiam estar ali em cima de uma prancha.

Depois do auge teve uma queda e permaneceu no esporte aqueles que se identificaram com ele, assim como ocorre com a maioria das atividades que tem um crescimento muito vertiginoso.

Agora com o hidrofoil devemos ter um novo aquecimento da modalidade.

1251x1280
Raio - X do Foil #6. Foto: Divulgação

 

Qual a principais diferenças entre as asas ?

 

basicamente as diferenças das asas são ; QUAL a velocidade mínima que se deseja ter sustentação e qual a velocidade máxima que se deseja, com essas questões você irá definir o tamanho da asa (área) e o camber  (perfil hidrodinâmico).

Sabendo que cada um tem uma aplicação, qual melhor tamanho de quilha (ASA)para cada condição.

No surf se você vai pegar ondas muito pequenas cheias e sem força vai precisar de uma asa com boa área e um camber acentuado, já se sua onda for grande mais cavada e com força   vai precisar uma asa com pouca área e caber suave.

O tamanho do mastro influencia na performance da prancha?

 

O tamanho do mastro tem mais influência no tamanho de onda e na envergadura da asa que você irá estar utilizando. Ondas maiores e no caso do downwind o melhor são asas com grande envergadura ou mastros acima de 75cm, no caso de ondas menores e asas com pouca envergadura pode-se usar mastros em torno de 60 cm que são os mais fáceis para quem está iniciando.

 

1280x853
Raio - X do Foil #6. Foto: Divulgação

 

Sobre as pranchas estamos vendo que cada vez mais estão ficando menores qual a principal diferença entre os tamanhos e suas aplicações?

Na verdade uma vez a prancha estando no ar quanto menor melhor o controle do foil, porém essa relação tem muito a ver com a habilidade de quem está em cima, nem sempre é fácil uma pessoa de 85kg remar em uma prancha de 6 pés, tudo requer treino , muito treino e se ficar muito difícil a pessoa pode acabar desistindo, então é uma questão de evolução, prancha maiores para quem está iniciando são mais fáceis e conforme se evolui diminui a prancha.

 

No caso do downwind qual melhor combinação de equipamento?

o downwind está iniciando agora e com a recente prova Maui - Molokai obteve muito visibilidade, mas não podemos deixar de observar que tinham apenas três competidores e creio que eles estão entre os 10 mais habilidosos no mundo atualmente. Eles usaram Sup muito pequenos e com asas com grande envergadura acima de 1 metro, então volta aquela equação qual o volume de prancha que o praticante consegue remar? Qual o peso total que a asa terá que sustentar para fora da agua? e qual a velocidade que as ondas navegam? com essas informações dá para ter uma ideia do equipamento pensando sempre que a prancha quanto menor melhor, e o hidrofoil deverá ter sustentação em baixa velocidade mas também deverá ter velocidade suficiente para acompanhar o swell com a ajuda de um bom vento.

E em relação as bigwaves qual o equipamento que você já usou e que achou mais funcional?

Ondas maiores que surfei tinham  3 metros e nesse dia o período era de 14 segundos, elas tinham muita massa e velocidade e o equipamento que funcionou melhor foi um mastro de 85cm com uma asa de kite que é bem mais rápida que uma asa de surf, porém estávamos fazendo tow-in e dessa maneira o jet-ski já nos “lançava” com boa velocidade chegando 17 nós.
 

Qual a dica de equipamento você dá aos novos adeptos?

Para quem está iniciando o mais recomendável são os mastros curtos em torno de 60 cm e asas com boa área e sustentação perfeitas para pegar ondas pequenas e cheias sem muita pressão, são as ondas mais fáceis e os riscos são menores. Outra dica é seja qual for a modalidade surf, sup ou kite procure uma escola capacitada e o uso de equipamentos de proteção como colete de impacto, Neoprene e capacete podem parecer exagero, mas são muito bem-vindo até você aprender a cair, porque no hidrofoil você também tem que aprender isso.

 

Aloha!!

Veja também
OndaSup

OndaSup

Festa no Paranoá

Brazilian SUP Storm

Brazilian SUP Storm

Outiside Movimentado

Mordida de tubarão

Mordida de tubarão

Incidente em Noronha

Sup Brasileiro de Luto

Sup Brasileiro de Luto

Gilson Alecrim

Briga continua

Briga continua

CBSurf anuncia suspensão

Nicarágua

Nicarágua

Escola de tubos

Gênio das previsões

Gênio das previsões

Walter Munk deixa seu legado

Planeta em choque

Planeta em choque

Navegação prejudicada

Hawaii 1.6

Hawaii 1.6

Ganhando experiência

Coreia do Surf

Coreia do Surf

Wavegarden vai à Ásia

Daniel Ferlin

Daniel Ferlin

Sonho Havaiano

Tecnologia em alta

Tecnologia em alta

Quilhas High-Tech

Litígio na CBSurf

Litígio na CBSurf

Reviravolta no Nordeste

Ceará

Ceará

Swell de SUP

Volta 360°

Volta 360°

118 km em 4 dias

Honolua Blomfield

Honolua Blomfield

Elegante e sofisticada