MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
O monstro das plainas
Shaper casca grossa
Por Alex Araujo em 01/08/18
O shaper baiano Mauricio Abubakir é uma das grandes referências em pranchas de SUP e Paddleboard no Brasil.
960x960
Mauricio Abubakir Hand Shape. Foto: Mauricio Cunha

 

O shaper baiano Mauricio Abubakir é uma das grandes referências em pranchas de SUP e Paddleboard no Brasil. Eu já fui atleta de sua equipe e pude acompanhar de perto sua dedicação em sempre estrar a frente nos estudos sobre hidrodinamica. Sempre antenado e atento a novas tendências, as pranchas Abubakir estão  presentes nas raias de competição de todo Brasil e sempre no pé de muitos atletas de ponta.

Neste entrevista bati um papo com o shaper para ele expor sua história e também divulgar seu trabalho de ponta e seu pioneirismo.

Abubakir você é um dos pionieors na fabriicação de pranchas , stand up paddle e paddleboards,  conte um pouco desta história?

Cresci no Bairro da Pituba, em Salvador. Comecei a pegar onda em 1968, aos 9 anos de idade, juntamente com o crescimento do esporte na Bahia, e em 1974 comecei a fabricar pranchas. A partir disso, venho acompanhando toda a evolução das pranchas de surf durante todos estes anos.

O surf é muito dinâmico, então é imprescindível estar atento a esta evolução. Hoje a tendência é de manobras mais modernas de um surf mais ágil e competitivo que o shaper tem que ir se adaptando, utilizando uma linha mais refinada e sensível.  

 O importante, além da evolução do shaper, é acompanhar também as novidades de materiais que apareceram ao longo destes anos, que ajudam a prancha a aumentar a sua performance. Isso se torna possível com a utilização de uma variedade de materiais mais leves e resistentes na construção dos modelos.

Com relação as pranchas de remada, como fui um dos precursores do Paddleboard no Brasil, fabricando estas pranchas desde 2000, isto me ajudou muito nos conceitos, evolução e construção das pranchas de Race, SUP Híbrida e Supwave.

2048x1490
Mauricio em ação na suas remadas. Foto:Mauricio Cunha

 

Abubakir por muito tempo você foi um tops do paddleboard no Brasil, e hoje é o principal fabricante de pranchas nesta categoria, como vê a diferença das pranchas de paddleboard e SUP, tanto 12.6 quanto 14?

O Paddleboard é uma prancha de remada muito estreita, em que você utiliza os braços e as mãos para remar nas posições deitado e ajoelhado. Foi uma das pranchas que mais demorei em desenvolver, já que não havia nenhuma referência no Brasil. Tive de pesquisar muito durante as minhas viagens ao Havaí. O Paddleboard é certamente uma das pranchas mais trabalhosas para se criar: ela não pode gerar atrito, arrasto. Ela deve ser leve e respeitar uma determinada largura e ter uma estabilidade que proporcione você a remar em todas as condições de mar, principalmente no downwind, em que você, ajoelhado, terá de surfar os Bumps. 

As pranchas 12´6” e 14`0 seguem as mesma proposta, pois são pranchas de competição que devem ser leves, resistentes e ter uma boa navegação com uma estabilidade necessária para cada atleta.

Como são pranchas feitas para se remar de pé, com o auxílio de um remo, o shaper deve proporcionar esta estabilidade. Dessa forma, ele terá apoio pra remar forte, sem perder o equilíbrio e a cadência. Uma das maneiras de criar estabilidade é descendo o centro de gravidade do cockpit. A virada de borda é muito importante, com mais add ou mais abauladas, a depender da largura da prancha. Quem faz a compensação ideal é o shaper.

Tudo isso dentro de um conjunto de outline, com rabeta e bicos proporcionais. Sem esquecer do mais importante: o rocker das pranchas, que segue muito a linha dos Paddleboards.

960x960
Race Juliana Amaral. Foto Divulgação.

 

Sei que você passou uma temporada nas ilhas havaianas e como shaper é um dos grandes estudiosos sobre o assunto relate um pouco esta sua experiência,  a novas tecnologias e tendências?

Eu, como shaper, tenho que estar aberto às tendências e observo as melhores pranchas do mundo, e assim vou desenvolvendo os meus designs, juntamente, com o feedback dos meus atletas. Não costumo copiar, mas pesquiso as melhores tendências e o comportamento das pranchas na água para adaptar aos meus modelos.

Em relação ao Paddleboard, aprecio muito o trabalho da BARK, da Oceanperf e da Deep Ocean Boards.

No Stand UP, tem muita prancha importada no Brasil com bons designs, que você pode analisar e adaptar ao seu trabalho.


Quais a novidades e novas materias primas que vem utilizando em suas criações?

Venho usando o Kevlar na laminação a fim de obter uma prancha mais resistente ao impacto das ondas grandes. Uma prancha 10'2'', Gun, é muito comprida, tem muita área, e quando você está em um mar grande, você pode ser pego pela arrebentação, dentro de um tubo, ou até mesmo em uma onda "fechadeira". Assim você consegue obter uma prancha capaz de superar todos esses obstáculos.

2048x1488
Claudio Britto. Foto:Mauricio Cunha

 

Eu como atleta já tive apoio e fiz parte de sua equipe e um dos primeiros correr eventos internacionais com sua prancha ( ISA 2013), hoje  com quantos atletas a equipe conta?

No SUP Race 12'6'' apoiamos o remador de Itacaré David Leão e e Andreson  Pereira, que são uma das grandes revelações da nova geração, Gustavo Kombi e Shock . No paddleboard apoio os atletas, Claudio Britto, Sinara Pazos, Genauto França e Jader Andrade. Na categoria race feminino apoiamos as atletas Juliana Amaral e Elaine

 

1280x852
Race Pedro Pereira Foto:Geferson Goes

 

 

 

Como atender cada cliente já que além das pranchas de alta performance você também atende os iniciantes e simpatizantes do esporte?

 

A primeira coisa é saber interpretar o que o seu cliente realmente quer e o tipo de onda/mar que ele vai surfar/remar.

A partir deste ponto, vou desenvolvendo o design de acordo com o perfil e o biotipo do atleta. Com o feedback dos meus clientes,vou aprimorando o meu trabalho.

 

 

Me sinto realizado ao ver que meus clientes e atletas conseguem a performance que desejam. Este é o grande retorno do meu trabalho: ver a pessoa voltando, e satisfeita.

 

960x677
Abubakir Team. Foto: Mauricio Cunha

 


Deixe um recado para os leitores do SupClub:

Continue remando, só vai lhe trazer saúde ,disposição e proporcionar o maior contato com a natureza, que o melhor de tudo.

Nunca pare de remar.

Veja também
SUP no Surf Ranch

SUP no Surf Ranch

Kai Lenny abre a session

APP World Tour

APP World Tour

Inclusão é destaque

Memórias de um swell

Memórias de um swell

Hawaii é aqui

Natal Sup Guide

Natal Sup Guide

Pérola do Nordeste

Rei e Rainha do Mar

Rei e Rainha do Mar

Compromisso com o SUP

Natureza renovada

Natureza renovada

Da Lama às ondas!

Young Guns #2

Young Guns #2

De Itacaré para o mundo!

Conexão México

Conexão México

Takeo no "Mexican Pipe"

Rema forte

Rema forte

Paddleboard cresce no Brasil

Projeto Remar

Projeto Remar

SUP Inclusão

Conexão Hawaii

Conexão Hawaii

12 temporadas na conta

Sup Guide - México

Sup Guide - México

Ondas pesadas e Perfeitas

Young Guns

Young Guns

Nova geração do SUP

Expedição Tapajós 2018

Expedição Tapajós 2018

Desbravando o Rio Amazonas

CBVAA Anuncia curso

CBVAA Anuncia curso

Formação de Árbitro de Va’a

SUP Sustentabilidade

SUP Sustentabilidade

ONG Trash Hero Bangkok