MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Canoagem
Canoa Bahia brilha na França
Por Max Interaminense em 12/06/17
Clube de canoa polinésia de Salvador (BA) leva duas equipes à 8ª edição da Vendee Va´a e fatura o título de equipe mais combativa da competição, considerada a mais importante prova de Va’a da Europa. Saiba mais.
Canoa Bahia na Vendee va´a 2017. Foto: Arquivo Canoa Bahia e site Vendee va'a.
Canoa Bahia na Vendee va´a 2017. Foto: Arquivo Canoa Bahia e site Vendee va'a.

Les Sables D´Olone, localizado no litoral norte da França, foi palco entre os dias 24 e 27 de maio de 2017 da 8ª edição da Vendee Va´a, a maior prova de Canoagem Va´a da Europa, foram 128 km divididos em três dias de competição. 1º dia 46km, 2º dia 26km e 3º dia 56km. Les Sables fica no Centro Oeste da França, e tornou-se durante os séculos XIX e XX, a principal cidade costeira da Costa de La Luz. A Vendee Va´a foi criada em 2010.

 

Este ano tiveram 19 equipes inscritas e o Clube de Canoagem Canoa Bahia estreou sua participação com duas equipes: Canoa Bahia Karamuru Canoes “ Arranca Poita” e Canoa Bahia Karamuru Canoes “Arranca Baronesa”, as únicas equipes mistas da competição, e as primeiras brasileiras na história do evento, juntamente com uma equipe masculina do Rio de Janeiro, a NTR VA’A, à participarem dessa prova.

 

As equipes do Canoa Bahia como de praxe , foram formadas exclusivamente por alunos matriculados no Clube, um conceito bastante preconizado pela empresa: “ formar remadores, moldando-os técnica, física e psicologicamente para grandes desafios ”, independente de sexo, cor, crença, idade e orientação sexual. Priorizando sempre a assiduidade dos remadores nos treinos ordinários, extraordinários, conduta, nos treinos, espírito de coletividade, abnegação em prol do coletivo dentre outros atributos defendido pelo Clube, além da rigorosa seletiva de OC1 onde os 18 menores tempos, foram selecionados, para a formação da equipe do Canoa Bahia para esse evento.

 

A delegação da Bahia desembarcou na França composta por 22 pessoas, 18 competidores e 4 apoios, dentre os remadores, eram 9 mulheres e 9 homens. O Clube tentou de forma extenuante que a organização do evento liberasse a inscrição de uma equipe exclusivamente feminina, porém, não obteve êxito, todavia após a excepcional participação das mulheres nessa 8ª edição os organizadores, se convenceram que é viável a formação de equipes exclusivamente femininas, e prometeram fazer o máximo para abrir essa categoria na 9º edição, que ocorrerá em 2018.

 

Composição das equipes mistas do Canoa Bahia:

 

“Arranca Poita”: Formação (4 homens e 5 mulheres)

 

1- Hamã Oliveira, (advogado , oficial R2 exército) open; 2- Christian Curaçá, (economista) master 40; 3- Rodolfo Almeida (administrador) master 40; 4 - Aline Mano ( Prof. médica cirurgiã )open ; 5- Mariana Rodrigues (advogada ) open; 7- Talita Oliveira (médica, anestesista) open; 8- Tárcio Bordoni (Guarda Vidas) open;9- Olga Embiruçu ( Auditora fisca lda união ) master 40; Izabela Luz (defensora pública da união) master 40
- Capitães da equipe: Hamã e Aline.

 

"Arranca Baronesa": Formação (5homens e 4 mulheres)

 

1- Max Interaminense (empresário, oficial R2 exército) máster 40; 2- Manuel Lima ( Contador ) máster 40; 3- Leandro Oliveira (Administrador )open ; 4 - Anthony Vinicius (Estudante EDF) open, 5- Frederico Almeida. (Biólogo Marinho e oficial R2 exército) máster 40; 6- Daniela Cordeiro (empresária) máster 40; 7- Mariana Souza ( Enfermeira ), open; 8- Juçara Carvalho ( Promotora de Justiça)máster 50; 9- Cláudia Carapiá (artista plástica) máster 40.

 

Antes das inscrições, as equipes passaram por um teste de Huli/ auto resgate (virar e desvirar a canoa e esgotar), nas águas geladas do Atlântico Norte, como condição para estarem liberadas a efetuarem o pagamento da inscrição do evento e retirada do kit de competição, que continha: camisas de uso obrigatórios dos atletas, adesivos de patrocinadores também de uso obrigatório, encartes, informações gerais dentre outros.

 

Para estarem aptas a competir as equipes, ainda tinha que passar pela pesagem das canoas, e inspeção de equipamentos obrigatórios. Importante salientar que caso qualquer equipe não passasse no teste de Huli, não poderia pagar a inscrição, além de ter que arcar com uma multa de 750 Euros.

 

Após os ajustes finais, aconteceu o desfile das agremiações, que agitaram o primeiro dia em Les Sables. Nos demais, uma prova excepcional, com condições bem diferentes a cada dia, exigindo sempre ao máximo os limites de cada um... A cada saída da praia, a realização do Haka, uma antiga dança de guerra maori, que demonstra o vigor, o orgulho, a força e a unidade de uma tribo, assim como uma dança de boas vindas.

 

As pretensões do clube baiano, nunca foram a de ganhar nada, afinal, eram as únicas equipes mistas da prova, juntamente a grandes equipes masculinas de canoa polinésia... O principal objetivo era a realização de toda a prova, independente das condições que se encontrassem. Foram meses de treinamento.

 

No primeiro dia sol, ventos acima de 22 nós, águas agitadas e muita correnteza fizeram dos 46 km, uma verdadeira prova de força, em todos os sentidos.

No segundo, em um dia completamente diferente, com bastante sol, sem vento e águas bem mais calmas, fizeram dos 26 km, mais uma etapa a ser completada. As duas canoas do clube neste dia foram capitaneadas por mulheres. Aline Mano e Mariana Souza, Instrutoras e atletas do clube.

 

No terceiro e último dia, o mais longo deles, outra vez, as condições mudaram muito. Um dia frio, com águas geladas, às vezes com vento, outras vezes sem. E mais 56 km de longas e fortes remadas, e a certeza do dever cumprido. Neste dia, as duas canoas do Canoa Bahia chegaram juntas, fazendo a festa em Les sables, aplaudidos pelos franceses que lotavam a praia. Um evento de alto nível e muito bem organizado, e um povo extremamente gentil e alegre. Destaque importante para os remadores Hamã e Aline. Que remaram os três dias de competição.

 

No encerramento, uma grande festa de confraternização e premiações de todos que participaram desse grande evento de VA’A . As equipes do Canoa Bahia, Arranca Poita e Arranca Baronesa, foram premiadas pela organização do evento com o troféu de equipes mais combativas, pela grande tenacidade durante toda prova, sendo representadas por Aline Mano, Instrutora e atleta do clube, a única mulher da história dessa prova a remar todos os três dias, inclusive, capitaneando uma das canoas, em um deles, Levantando o troféu, com a participação de todos os integrantes no palco. Um momento único e muito importante para o clube e para a canoagem brasileira. Em outra ocasião, todas as mulheres da delegação do clube, foram presenteadas com pérolas taitianas.

Veja também
Canoagem Polinésia

Canoagem Polinésia

Lições taitianas

Canoagem

Canoagem

Competição épica encerra o Mundial de Va'a no Taiti

Canoagem

Canoagem

Mundial de Va’a chega à reta final

Canoagem

Canoagem

Mundial de Va’a: Taiti mostra sua força e Brasil apresenta evolução

Canoagem

Canoagem

Mundial de Va’a: Nova Zelândia fica com o ouro e Brasil faz bonito

Taiti 2017

Taiti 2017

Por dentro da Te Aito 2017

Canoagem

Canoagem

Te Aito 2017: Participação Brazuca e show de Kevin Jérusalemy

Taiti 2017

Taiti 2017

Treinos e abertura da Te Aito

Direto do Taiti

Direto do Taiti

Na expectativa para a Te Aito e Mundial de Va’a

Taiti 2017

Taiti 2017

Chegada ao Taiti

Canoagem

Canoagem

Brasileiros na maior prova de Va’a da Europa

Canoagem

Canoagem

Entrevista – Igor Lourenço Oliveira

Canoagem

Canoagem

A história do surfe de canoa polinésia

Canoagem

Canoagem

Novidades no horizonte do Va'a

Canoagem

Canoagem

Brasileiro de V1, V1R e V2R