MENU COMPETIÇÕES GUIA WAVESCHECK
Mestre do Mar
Surf de Canoa: Emoção e Perigo
Por Redação SupClub em 23/11/18
Confira a matéria desta semana do nosso colunista Douglas Moura onde é abordado o surf de canoa havaiana.
1280x720
Mestre do Mar Foto: Divulgação.

 

‘Um dos caras que mais respeito no outside são os Lemes de canoa de surf, os mais experientes watermans que estão lá” – Kelly Slater durante o Buffalo Festival que ocorre anualmente em Makaha.

 

Surfar se tornou um imaginário de todos aqueles amantes do mar. Desde os primeiros contatos dos homens brancos com os polinésios, histórias de homens elegantes se divertindo ao deslizar sobre as ondas com um grande sorriso no rosto, são relatadas nos diários de bordo de muitos exploradores, incluindo o famoso capitão James Cook.

Era considerado o esporte dos reis havaianos, e os surfistas tinham uma posição de destaque na sociedade polinésia.

Contudo, com a chegada do homem branco e do cristianismo na polinésia, e com o abafamento da cultura local, o surf, o ato de deslizar sobre as ondas do mar foi sendo abafado, quase morto, até que no inicio dos anos de 1900, o mundo conheceu quem mais tarde viria a ser conhecido como o pai do surf moderno, o lendário Duke Kahanamoko.

748x641
Estátua de Duke kahanamoku no berço do surf e da canoa havaiana em Waikiki. Foto: Arquivo Pessoal

 

Duke foi o embaixador do surf no mundo, levando primeiramente a Austrália, depois nos 7 mares do globo, e hoje em dia, onde tem mar com onda, tem surf. Mesmo onde não tem onda, o homem dá um jeito de se divertir. Em Brasília há o surf nas ondas das lanchas, nos EUA já algumas piscinas de ondas realmente boas.

 

E aí o caro leitor deve estar se perguntando o que isso tem a ver com os esportes a remo.

Tem tudo a ver, especialmente neste caso, com as canoas polinésias.

Hoje em dia vemos muitas atrocidades acontecendo nos picos que tem onda, simplesmente porque uma pessoa se acha capaz de pegar uma canoa polinésia, ver uma onda e querer surfar. Acontece que essa pessoa nunca surfou na vida, nem de bodysurf, nem de bodyboard, nem de shortbord, nem de longboard...

Surfar e remar poderiam ser considerados dois esportes distintos dentro da canoa polinésia.

Um remador, por mais tempo que tenha de canoa e por melhor remador e Leme que seja, se não carrega consigo as habilidades desenvolvidas nas ondas, nunca terá a mesma visão, etiquetas de convivência, respeito as regras, desenvoltura para se livrar de emergência, de quem gastou horas, dias, anos, no outside tomando ondas na cabeça, quase morrendo afogado algumas vezes, e esperando a boa do dia, que muitas vezes será apenas uma, e essa uma fará valer o ano para ele, nem que seja naquele minuto.

900x538
Huli, Mestre do Mar Foto: Divulgação

 

Uma OC1 pode se tornar uma arma, uma OC6, um canhão nas mãos de pessoas que se colocam na condição de surfistas, mas que na verdade são remadores.

 

Tipos de erros mais comuns:

 

Temos vistos ao longo desses anos todos e a medida que a canoa vai se popularizando cenas que realmente me fazem sair do lineup quando vejo, pois, a probabilidade de acidente acaba se potencializando, e muitas vezes quem está fazendo a linha correta, é atropelado por alguma canoa. Abaixo será descrito algumas coisas que trazem o risco iminente:

1 – Surfar de OC6 no critico da onda:

As OC6 são canoas feita para navegar, surfar ondulações e ondas oceânicas, não para surfar ondas no critico e em locais cheio de gente. Uma OC6, com 6 pessoas a bordo terá em media 650kg. Parar e controlar a canoa depois que de definido o lado, é tarefa para poucos, muitas vezes impossível, onde os remadores se tornam “passageiros”.

2 – Fazer Leme no castelo (ou banco 7) quando se está surfando:

Surfar de OC6 já é um grande risco como mencionado no item 1. Surfar de OC6, fazendo Leme sendo o sétimo remador, é um ato de grande risco. Não tem como ter controle nesta posição.

Além disso, é um local escorregadio e instável, tornando assim a chance de cair da canoa algo real.

3 – Tripulação inexperiente:

Uma tripulação experiente, que tenha habilidade junto com o Leme para surfar faz toda a diferença. Ter um banco 1 ou 5 que saiba fazer também Leme pode salvar a canoa durante uma emergência. Além disso, uma tripulação que não tenha experiência se torna totalmente dependente da decisão do Leme, e a decisão mais equivocada será colocar essas pessoas para surfar em dias grandes.

4 – Equipamentos inadequados:

Um Leme de surf faz toda a diferença. Esse remo não tem que ser leve, ao contrário, deve ser pesado para que ele tracione quando fincado na água e se torne a quilha da canoa, dando pressão suficiente para que ela mude de lado.

5 – Conhecer o local onde se surfa.

Saber como é o fundo (Areia, Pedra, Coral, Misto), saber a profundidade do local, onde se localizam os pontos de perigo, faz toda a diferença para surfar seguro.

Imagine uma cena: Está sendo feito um surf de canoa em um fundo de pedra, cuja profundidade não passa de 1 metro. Por algum motivo, a canoa dá um Huli, e aí por onde escapar? Os remadores poderão sofrer lesões graves (pescoço e cabeça), escoriações, e mesmo o afogamento, pois se não há espaço entre a canoa e o solo, não terá como voltar a superfície.

 

6 – Equipamento certo para cada situação.

 

Cada equipamento se adequará a uma situação. Não há o melhor, há o melhor para aquele momento.

Uma OC4 surf, faz os turns muito mais fácil que uma OC6, que por sua vez faz muito mais fácil que uma V6...

Uma OC1 e Uma V1 também tem suas condições ideais.

 

7 – Surfar de Canoa onde há praticantes de outras modalidades.

Quando se está navegando ou remando por locais onde há outros atletas de outras modalidades treinando (Ex: Natação, surf de prancha), deve-se tomar todo o cuidado e ter total controle da embarcação. Quando estamos surfando, esse controle deixa de existir 100%, logo, nesses locais, não deverá ser feito surf de canoa.

 

Entendendo um pouco o oceano e as ondas.

Como são formadas as ondas?

Basicamente as ondas são formadas por ventos muito fortes ou por terremotos marítimos muito distantes da costa! Esses fenômenos geram as ondulações oceânicas que viajam por quilômetros e mais quilômetros até chegar nas zonas costeiras, ou praias, onde encontram águas rasas e então “quebram”.

570x222
As vagas viajam por vários quilometros até chegar em uma bancada rasa e formar as ondas que surfamos, Mestre do Mar. Foto: Divulgação

 

As ondas têm basicamente 3 pontos principais: A crista (ou o lip, linguajar comumente usados no surf), a parede e a base da onda. A distancia entre a base e a crista é o tamanho da onda. Já a distancia entre duas cristas, é o chamado período.

 

570x255
Mestre do Mar. Foto: Divulgação

 

Regras do surf:

Agora que já entendemos o que é surf, precisamos entender que como tudo na vida, no surf existem regras de convivência, código de ética, preferência nas ondas.

Isso tudo busca a harmonia, mas principalmente a segurança entre os praticantes.

Vamos a elas:

 

869x673
Regras do surf, Mestre do Mar Foto: Ibrasurf

 

Onde começar a surfar?

O surf deve ser feito de forma gradual. Quanto mais cheia a onda e mais vazia mais propicio é o local para se adquirir experiência.

Na baía de Guanabara, o primeiro local deve ser a praia de São Francisco, depois a ponta do morcego, passando pela boa viagem, ilha dos cardos e por último Itapuca!

No Rio de Janeiro, o local mais apropriado seria a Pedra cara de cão, passando pelo posto 6 de Copacabana e por fim a quebra mar.

670x375
O crowd cria regras ou você respeita ou terá problemas, Mestre do Mar Foto: Divulgação

 

Considerações importantes:

 

1 – Use sempre o estrepe!;

2 – Respeite os locais do pico! Eles sempre terão preferência!;

3 – Respeite seus limites!;

4 – Respeite o mar!

5 – Em caso de duvidas, priorize a segurança do outro, nunca sua própria diversão!;

6 – Procure um instrutor capacitado para aprimorar suas técnicas e adquirir conhecimentos!

 

No mais, vá para água, respeite os locais e acima de tudo, divirta-se!!! Surf é diversão, seja em 0.5 metros ou em 15 metros, não importa!!!

 

 

VAMOS JUNTOS QUE JUNTOS SOMOS MAIS FORTES!!!

 

MAIS IMPORTANTE QUE O IR SERÁ SEMPRE O VIR!

ALOHA!

Douglas Moura

Remador e mestre amador.

Instagram: aloha_douglas_;

Facebook: Douglas Moura 

Douglas conta com os apoios – @Evoke eyeswear; @PuroSuco.oficial;@ RaldreiNatividade fisioterapia esportiva; @Rpilates; @AcademiaNiteroiSwim; @IcarahyCanoa.

Além disso, desenvolve treinamentos focados em navegação segura. 

 

 

Veja também
Lokomaikaii

Lokomaikaii

Nunca pule uma canoa havaiana!

Mestre do Mar

Mestre do Mar

A banalização dos acidentes de remo.

Lokomaikaii

Lokomaikaii

O Mistério da Banana na Canoa

Va’a nos seus sentidos

Va’a nos seus sentidos

Inclusão pela Canoa Havaiana!

Rumo Norte Expedições

Rumo Norte Expedições

Rio Arapiuns

Mestre do mar

Mestre do mar

Riscos nos esportes a remo

POA VA'A e Sava Clube

POA VA'A e Sava Clube

Movimenta Zona Sul

Lokomaikaii

Lokomaikaii

“Com quantos paus se faz uma canoa?”

Instituto São Sebá Va'a

Instituto São Sebá Va'a

Va'a com saúde

IMUA Ceará

IMUA Ceará

Downind de OC4

Copa Va'a

Copa Va'a

Cultura havaiana no Rio

Mestre do mar

Mestre do mar

Navegando Legal

Expedição Kaleopapa

Expedição Kaleopapa

Volta á Ilha dos Frades

Superando Limites

Superando Limites

Cauê Serra

Lokomaikaii

Lokomaikaii

O Batismo de canoas